segunda-feira, 30 de março de 2015

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

O Guarda do Banco....

AGUARDE.......EM BREVE........

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Adriano.

Ele disse um dia que lembrava de cada detalhe do nosso primeiro encontro, e ao ouvi-lo falar , eu lembrava e era tudo verdade.
A cor da minha bermuda, da cueca, minha aliança na mão esquerda....e o pensamento dele quando eu tomei a iniciativa e agarrei ele pelas costas, '' um homem, desses nunca vai me beijar, vai me comer e sair correndo''.Ele disse que foi o primeiro pensamento que veia a cabeça, foi esse.
Ele disse que queria se apaixonar por um cara, mas não um tipo cafajeste como eu.
Não entendia nada do que ele falava, ou estava muito nervoso ou falava o que pensava ou era meio louquinho mesmo.
Mas meu filho, depois que eu enfiei a mãozona boba dentro da cueca dele e senti aquele cuzinho com meia dúzia de pêlos na ponta dos dedos..ele podia dizer o que quisesse que eu não ouviria nada.
Chovia muito naquele dia, e ele parecia não se importar com a chuva fria molhando o seu rosto, vindo na minha direçao.O vidro embaçado do carro dava para perceber que se tratava de um belo exemplar de putinho louco para sentir o peso de um macho em cima dele e um pau dentro da bunda e achar isso a melhor coisa do mundo.
Ele tinha olhos e cabelos negros e pele branca..lisinha, mal tinha pêlos nas axilas, apenas pentêlhos e nada mais...e como já disse ao redor do cuzinho..não passavam de meia dúzia, isso tudo me deixou completamente doidão mas me mantive tranquilo, não facilitei nada, mas quando ele parecia cansado de tentar se aproximar e ...eu o chamei para um canto da sala, me escorei na mesa e puxei ele pro meio das minhas pernas e peguei valendo e o beijei como mais tarde ele descreveu, ´´sofocadamente´´, foi ai que eu meti a mão e senti o paraíso naquele cuzinho liso, na ponta dos dedos....elogiei aquele rabo..ele era magro, mas dava pra sentir os músculos da bunda e das costas dele, isso me deixou mais louco ainda...dai que percebi, que de tímido e santo ele não tinha nada...ficou de joelhos na minha frente e abriu as minhas calças, puxou meu pau pra fora e se atracou a chupar desesperadamente, deixei ele se divertir..hora meu pau inteiro dentro da boca, hora ele lambia minhas bolas e eu só urrava de tesão, e tão logo ele largou e subiu para me beijar, eu virei ele de costas abri seu cinto e deixei suas calças caírem no chão, vi a cueca larga dele e nem precisei arriar para enfiar o meu pau na bunda dele, meti pela perna mesmo...só puxei as cuecas dele pro lado...meu pau estava totalmente melado e salivado...não teve erro..ele soltou um gemido..falou que doeu, mas deixou a minha brutalidade mandar naquela hora e ajeitou a bunda para meu pau entrar todo no cuzinho dele...fico maluco quando sinto aquele calorzinho do cu no pau se acomodando lá no fundo..e ele só se escorou em mim e deixou eu agir.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Quem sabe , sabe....

Nunca reparei se as mulheres chupam um pau de olhos abertos ou fechados, mas fiquei sentindo aquela boca quente e húmida, babando no meu e aqueles olhos azuis olhando para mim e com brilho intenso de felicidade, ele salivava muito, ou era assim ou minha vara dava água na boca dele, também, era sua primeira vez e ele nem sabia que parte colocava na boca e que parte lambia, beijava , mas não escapava um pedaço do meu pau que ele não molhasse com a saliva e passasse a língua.
Da uma sensação tri boa quando passam a língua entre as bolas, e as coxas, na virilha, a vontade é de pegar o cara pelos cabelos e enfia a cara dele no rabo da gente,manda mete a língua no cu mesmo e para de enguiçar pelas beiradas, mas ele de joelhos e a primeira piça a ser mamada, já tava de bom tamanho, eu não iria assustar e nem forçar ele naquele momento, mas que eu já estava com água na boca imaginando aquele cuzinho cor de rosa na minha língua, ah! isso eu já estava contando os segundos pra cair de cara naquele rabo.
Tesão maior foi ver meu pau latejando e cuspindo porra e ele tentando engolir tudo e o meu pau ao mesmo tempo e eu ali deitadão de pernas abertas gemendo feito um desesperado, meu leite escorria pela boca dele , pela minha barriga e ele tentava limpar tudo, não deixar uma gota escapar, ele lambia meu pau, as bolas e esfregava o rosto e cheirava minha vara, pentêlhos e segurava firme numa das mãos, e dava umas dentadinhas de leve no couro das bolas, parecia um tigre faminto, só parou quando não havia mais nada a ser sugado ou lambido, meu pau estava sequinho e amolecendo quando ele finalmente o largou e se deitou sobre a minha barriga me abraçando e dizendo...-Como eu pude viver só sonhando com você e você tinha tudo isso para me dar! , eu sorri e chamei ele de bobo, ele suspirou e sorriu e perguntou- Tem mais?

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Onde eu fui me meter...

Aquela cena, parecia excitante, ele era um homenzinho bonito, tinha um baita rabo...mas ele ajoelhado e mordendo meu pau sob a cueca, parecia brincadeira e que ele não levava jeito pra coisa.Parecia que ele estava só tentando me agradar ou eu já estava cansado de ''brincar'' com ele.
Mas não é que o safado me surpreende, aquela boca quente e cheia de saliva abocanhou meu pau pela perna da cueca e me fez dar um urro, mas me deu um treco tão estranho pelo porco que amoleci por completo e meu pau melou, saiu aquela porrinha em excesso e ele disse que meu pau era doce, hehehehe, mas que bobo, disse eu, já com a cara de faceiro, essa porrinha é adocicada seu bobão...e ele disse que só tinha provado a dele e que a dele não era doce não, ele parecia um idiota ali segurando minha vara, lambendo, chupando e falando...e eu rindo da cara dele.Bom eu pensei, já que tudo é novidade, não vou forçar nada, deixei ele descobrir e como antes, deixei que ele tomasse as iniciativas, afinal, descobrir as coisas e curtir, gostar do cara é o desejo de todo cara bi ou hetero, com mulher ou homem, nada de escracho, pornografia e forçação, deixei ele curtir minha vara e brincar, afinal estava sendo bom pra mim imagino pra ele, e respeitar o corpo e seus desejos e limites o prazer fica milhões de vezes mais intenso e verdadeiro.
Ele olhava meu pau com uma cara de felicidade, parecia nunca ter visto um assim tão de perto e colocando na boca, a cada beijo, lambida e chupada que ele dava eu melava mais e mais e ele lambia aquilo e sorria.-E se eu gozar?, perguntei, -Eu chupo e engulo tudo, disse ele com cara de bem safado o FDP, eu ri, me levantei e beijei aquela boca linda e melada de porrinha minha, e era doce sim, ainda mais nos lábios dele e sua saliva, a coisa ficou melhor ainda, temperada e pior, o cheiro dele, da boca e saliva, suor etc...era muito animal e me deixava quase a ponto de violentá-lo, e pensar que a pouco eu estava cansado e pensando em dormir ou mandá-lo embora,mas foi bom eu ficar assim, acho que ele sacou e resolveu me surpreender.
Depois do beijo, ele sorriu, me olhou com ternura e disse que eu era exatamente como ele imaginava, um macho vestido e um macho lindo pelado e carinhoso, tranquilo , coitado pensei eu, se ele soubesse que por várias vezes me segurei pra não mandar ele a merda ou comer aquele rabão na marra, mas valeu a pena, manter a calma e esperar.Ele guardou meu pau dentro da cueca e sentou ao meu lado, me abraçando e ficou quietinho...

sábado, 6 de fevereiro de 2010

A Dor e o Amor...

Havia parado de sangrar, fiz piada com a situação, ele não riu, disse que ele era violento quando trepava...bom, sem graça, mas não perco a piada nunca.
Olhei em volta, apenas o banheiro estava sujo, e ele pelado ali, parado, de pau mole, cara de assustado ainda, era bonitinho ele, muito bonitinho. Dei uma geral no banheiro e em mim, e ele permaneceu ali, me olhando e calado.
Falei que estava tudo bem, mas ele não desfez a cara de sério, tentei fazer um carinho no rosto dele, ele se esquivou e eu perdi a paciência- Quem devia estar bravo era eu, falei, e ele pediu desculpas , e me abraçou dizendo ter ficado apavorado, eu disse para relaxar que o macho dele estava ali, firme e forte, eu só não poderia forçar a barra até a lesão estabilizar, mas dei uma mordidas nele e meti a mão no rabão quente e húmido daquele pedaço de machinho.
Coloquei uma cuecas e convidei ele para ir a cozinha, eu estava com sede e fome.
Ele ficou me olhando colocar a cuecas e havia um sorriso doce naquele olhar, depois do susto, ele se aproximou e meteu a mão dentro da cuecas na minha bunda e me beijou...
Putz, se a cuecas tinha deixado ele assim, imagine a visão do macho recém de banho tomado , cheiroso e de cuecas branca sleep, ele disse que eu estava um tesão e eu retribui atolando a mão no bunda gostoso dele, mas meu nariz ainda latejava e pedi calma e parei de beijá-lo mas as mãos permaneceram enfiadas nas bundas peludas, -Tu não queria encher de beijinhos essa minha coisa suja e feia?, perguntei, e ele riu, -Quero, mas vou tomar um banho eu também, estou suado e me sinto sujo agora perto de você limpinho e cheiroso.
Mandei ele ir e disse que ia para a cozinha.
Fiz um sanduíche e me sentei na sala liguei a TV , e logo ele apareceu também de cuecas, mas a dele era preta e boxer.
Sorri e ele ficava todo sem graça quando me olhava, parecia um piá apaixonado e derretido.
Eu estava largado no sofá e de pernas abertas, ele se deliciava me olhando.
Falei que ele de cuecas estava uma gracinha, mandei ele dar uma voltinha, queria ver a bunda dele dentro da cuecas, ele virou e eu assobiei, provocando risos nele.
Perguntei se estava com fome, ele não respondeu e veio em minha direção, se ajoelhou no meio das minhas pernas e mordeu meu pau por cima da cuecas.

Grandes Descobertas....


Tarado, repeti eu, porra gato, sou homem e não sou de ferro, tô te aturando desde a tarde, e você já se acabou todo me dando, e eu estou aqui sofrendo e você nada....Nisso ele tapou com uma das mãos a minha boca, colocou o rosto bem em frente ao meu e -Não fale bobagens Pedro, eu dei prum cara que eu queria dar, e foi a única e espero que seja só essa, só você, estou feliz e ainda não passou a sensação gostosa que foi dar a primeira vez pra você cara, gozei mas ainda estou sentindo uma puta vontade de te dar mais , queria fazer uma coisa, mas fico com vergonha e esse treco (pegou no meu pau), tá sujo.
Claro que eu entendi, o sujo, mas como sou cafajeste mesmo, não ia perder essa. -Claro, coloquei o coitadinho na tua bunda suja, deve tá podre de sujeira o miserável.Falei.
Ele ameaçou sair de perto de mim, dei uma ''gravata'' nele e joguei de costas na cama e montei em cima, meu pau, como sempre já tinha aprendido o caminho, entrou direitinho e parou na porta do cuzinho dele.Falei umas bobagens baixinho no ouvido dele, ele sorriu e disse que também estava brincando, e eu falei que ia tomar um banho...então ele fez um movimento, nem sei como, mas colocou os braços para trás e me segurou com força e disse espera!, e deu uma reboladinha com a bunda, tipo querendo que meu pau entrasse de vez...-Me come Pedro, falou ele entre dentes e mexia a bunda de um jeito sem jeito, pros lados e para trás, ele queria por a bunda no meu pau, e eu fiquei para curtindo..só tentando deixar minha piça na mira, não fugir do cuzinho dele...numa dessa mexidas para trás o pau véio entrou valendo até a metade, só ouvi um gemido seco e ele apertou a bundinha, o cu e atirou a cabeça para trás com força, só vi umas estrelas e senti uma dor horrível, que chegou a sair água dos olhos, ele deu uma cabeçada no meu nariz, nem senti meu pau escapando do cuzinho dele e me atirei na cama ao lado dele, senti um líquido quente se espalhando pelo meu rosto, era sangue, vi a cara dele de pavor e minhas mãos vermelhas....sai da cama para não sujar tudo e fui em direção ao banheiro, deitei na banheira e liguei o chuveiro, primeiro para esfriar a cabeça , segundo tentar estancar o sangue ficando de cabeça erguida...meu nariz, eu tinha a sensação que era uma bola vermelha e tinha um coração dentro dele...fiquei deitado ali, de olhos fechados....ouvi ele me chamar...abri os olhos e vi ele ao lado, com aquela cara de pavor\medo, e me alcançando o rolo de papel higiênico para limpar o nariz, rosto, o sangue...fiquei olhando firme pra ele, sem piscar.Ele tinha vontade de rir, mas não ria, ele queria me limpar mas não limpava, ele estava apavorado, ele estava vendo o que eu não via...sangue por todo lado e eu com a cara suja de sangue e nariz inchado.
O macho dele estava ferido.

As Noites Nunca Tem Fim...

Agora era hora dele, me deixar doidão, mas ele era muito tímido e cheio de vergonhas para se atirar em mim, e eu sabia que essa fase ia ser meio ruim pra mim, tem cara que só curte um romance e sexo comportadinho estilo papai e mamãe, e ele era desses.
Comecei a abraçar, beijar, dar uns apertos, esfregar meu pau hora no pau dele ,hora apertar meu pau contra a bunda dele, sem meter nas coxas ou no cuzinho dele, só esfregando por cima...falei muita bobagem no ouvido dele, ele tava quase doidinho de novo, me beijava suspirando, tipo cheio de paixão e tesão, mas se atirar, se oferecer pra mim, quase nada...
Ele parecia que nunca tinha visto ou pegado numa piça,não largava a minha, mas só pegava, acariciava e punhetava, minhas bolas pareciam deixá-lo mais excitado, que merda, eu queria que ele caísse de boca, mamava meu pau, ficasse de 4, sentasse valendo , queria tudo, mas também não queria deixá-lo constrangido....e aquela mão apertando minhas bolas estava bem gostoso, quando ele agarrava minha vara e socava punheta em mim, também me fazia soltar porrinha valendo, dava uma contração tri boa e ele dizia que adorava sentir meu pau latejando na mão dele...e eu enfiava a mão na bunda peludinha dele, e metia os dedos naquele cuzinho melada ainda , suado e apertado...perguntei se ele não queria sentir latejar dentro dele, ele me chamou de tarado....
Me afastei dele, e fiquei deitado de barriga pra cima, peladão e de pau em pé quase , de tão duraço e louco pra gozar, mas queria que ele me desse ,me chupasse, mas...
Ele veio e se deitou no meu braço enquanto fazia carinho na minha barriga e segurava de passagem meu pau, e ficava levantando e olhando ele...disse que meu cacete era lindo..cabeçudo...e que adorava o tamanho grande do meu saco....dei um beijinho na cabeça dele, e disse que meu pau e saco eram tudo dele e pra ele, e insinuei que ele se quisesse podia fazer o que quisesse com ele...ele sorriu e deu uma apertada valendo, tipo descontrolado no meu pau e puxou meu saco, pedi calma e fingi ter doído, ele se levantou ficando escorado num braço, assim de lado e me olhando...e eu tapei a cara minha e fiz cara de dor...e protegi meu pau tapando também..e dei uns gemidos de dor,mas não senti nada não, era cena e queria me aproveitar daquilo, ele fez cara de preocupado e arrependido...-Bah, tem que se acalmar, cara, falei eu...ele pediu desculpas, e eu disse que uns 500 beijinhos me curavam e sorri...ele veio me beijar e eu interrompi a trajetória da cabeça dele, e disse, -500 beijinhos nele! e segurei e mostrei em direção ao meu pau...ele ficou vermelho e enfiou a cabeça entre a minha e meu ombro e novamente me chamou de tarado....

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

De Hoje ele não passa.....

Quando ele relaxou e eu senti que não ia doer nele, o cabeção já tinha entrado, soltei o corpo sobre ele e dei uma enfiada valendo, óbvio que ele reclamou , me segurando e soltando um gemido seco, fiquei quieto, esperei ele se soltar novamente...sussurrei no ouvido dele, meio olhando ele nos olhos quase grudados aos meus, -Doeu?, ele sussurrou, -Um pouco,..., dei uma mexida legal ,tirei e enfiei de novo, e ele não reclamou, até me abraçou mais forte e segurou minha bunda puxando contra ele, a bunda dele suava, eu sentia um calor e humidade no meu pau , e os meus pentêlhos roçavam os pêlos do cuzinho dele e o suor escorria entre suas coxas molhando as minhas.O suor que saía das minhas costas descia pela minha bunda e pingavam no rabo dele dando uma sensação tri boa, eu metia valendo mas bem de vagar, só ouvia ele gemer e respirar forte, logo ele deu um gemido seco e mais alto, senti o cuzinho dele apertar o meu pau e o pau dele latejando na minha barriga...logo escorreu porra entre nós....dei um beijo no pescoço dele....e..-Que rapidinho hein, falei...e ele colocou as mãos em minhas costas ,alisando-as ,-Também, tesão Pedro, eu estava mal, fiquei bem louco , não pude segurar, -Tranquilo, falei, eu fico na fila, eu espero....falei meio tipo coitado de mim, e ele sorriu...fiz menção de sair de cima dele e do meio das pernas, tirar o meu pau da bundinha gostosa dele mas ele me deteve.
-Fica em cima de mim e dentro, to gostando muito de vc assim Pedro, fica?, soltei o corpo novamente e relaxei e fiquei....ele só me apertou, beijou minha orelha e -Meu macho gostosão, falou baixinho como se fosse segredo e suspirou rindo.....pensei, deixa ele se divertir, depois eu tiro um sarro com a cara dele....
Não entendo como alguém curte que o peso fiquei em cima e sinta tesão e prazer nisso, mas...eu não curto nada em cima nem que me prenda, segure, mas se pra ele era bom.....eu fico...
Mas eu não conseguia ficar parado, eu que estava mal agora...e aquele cheirinho dele era muito bom, suado e me dando então e rindo...esse já era, tava mais que no papo, tava de 4 e feliz, isso era tudo que eu queria...

sábado, 30 de janeiro de 2010

Uma Noite Eterna...


Ouvi o barulho da moto, olhei pela pela sacada, ele estava lá , todo arrumadinho cabelo penteado, e de braços cruzados sentado na moto, e olhando nervoso para o corredor, esperando algum sinal de gente ou luz sendo ligada...
Coloquei um calção de futebol e sai no escuro prendendo as chaves na mão para ele não ouvir o barulho.
Ele levou um susto ao ouvir minha voz saindo da escuridão, ri dele..ele sorriu....mandei por a moto na garagem...
Ele entrou com ela desligada...largou...fechei o portão e fui em sua direção...ele com uma mão no bolso traseiro das calças e a outra querendo me cumprimentar...olhei..apertei...falamos meias palavras....ele elogiou a casa,, .. o lugar....eu fingi dar espaço e assunto....fazer ele se sentir em casa, seguro...
Ele estava tão bonitinho de banho tomado e de bermudão...
Ele disse que eu estava um tesão de calção de jogador...
Peguei ele de jeito e sufoquei com beijos..., minhas mãos bobas passeavam novamente por tudo aquilo que tinha me deixado com as bolas doídas e que agora iria esvaziar elas.
Fui empurrando e beijando ele em direção o meu quarto...a cama....derrubei ele e fui tirando a camiseta dele, abri a bermuda , tirei os tênis dele com os pés mesmo, eu só estava de calção mesmo, os chinelos eu já havia perdido no caminho...beijando, mordendo, lambendo ele, meio do lado consegui deixá-lo só de cuecas, e ele caprichou na cueca, branquinha sleep...dava pra ver o saco, pau, tudo ali na mala enorme dele, e aqueles pentêlhos meio loiro escuro dava um tesão maior ainda, em contraste com a cueca e a pele dele branquinha , meio rosada...adoro quando a cueca entra na bunda do cara e ficam as dobrinhas e os pêlos do cuzinho amassados, puxados...dá um tesão, uma puta vontade de lamber o rabo do cara....
Afastei a cueca do rego dele e com a mesma mão tirei meu pau pela perna do calção, e falei- Sei que é a primeira vez gatinho, não vai doer e hoje você dorme nos meus braços só depois de nós dois saciarmos nosso desejo.
Ele só me beijou e se soltou, dando sinal de confiança.
Segurei com a mão o meu pau pela cabeça e ajeitei no cuzinho quente dele, quando senti o calor, liso e melado dei uma empurrada de leve e tirei a mão, coloquei ele deitado meio de lado e eu no meio das pernas dele me ajeitei, ele me abraço com força e abriu mais as pernas me dando espaço para me acomodar direito, fui como se ele empurrasse a meu pau para dentro, senti entrar a cabeça e ele relaxou....

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

...foi assim.....

Apesar das provocações e loucuras dele e minhas também, chegamos inteiros a cidade, ele me disse -Me segue!, e eu segui... fomos parar em frente a uma casa, numa dessas travessas tranquilas da cidade.
Falei que não iria entrar e nem queria conhecer ninguém da família dele, ele me disse para não ter receios, mas eu liguei o carro e fui embora, ele ficou me olhando sumir na rua.
Até pensei que ele viria atrás, mas não havia sinal disso.
Claro que fiquei pensando nele, até desejei que ele viesse atrás feito louco, mas sou daqueles que faço valer cada momento, mas não facilito e nem corro atrás.
Tomei banho sentindo o cheiro dele em tudo que parte do meu corpo e na minha roupa e o pau duro o tempo todo, chegava a doer, mas fiquei só imaginando como teria sido lá no trigal e se eu tivesse entrado na casa dele...
O que será que ele estava fazendo, tomando banho também e tirando o meu cheiro do corpo todo dele e imaginando se tivesse cedido lá no campo e arrependido?
Pensei, tomara que sim, que ele esteja sentindo um profundo e mal estar e arrependido até a morte.
Eu estava ali, depois de anos e anos de marcação, olhares e ele decidiu ser rapaz de família...bem feito, podia estar ele sentado no chão do banheiro, molhado....chuveiro ligado e chorando de raiva....
Sai do banho, seco, cuecas samba, branca(me amarro em cuecas grandes e largas)...é..a imagem dele não me saia da cabeça...aquela que imaginei ele molhado, sentado no chão do banheiro ,pelado...não chorando claro, mas colocando as mãos em lugares que lembrariam bem de mim....será que ele iria gostar de me ver de cueca pela casa, pensei, ajeitando o pau na cueca ,que não queria ficar mole....
O Telefone tocou no meu quarto....
e parou...tocou...quando eu chegava perto parava...fiquei olhando pro aparelho e esperando tocar...meio ansioso, mas ele não era, ele não sabia meu numero, não sabia nada...tocou, atendi no primeiro toque.
-Tá sozinho Pedro?, era ele..
-Como você sabe o meu numero?
Pediu desculpas e desligou.....
Fiquei ouvindo o bip....parado, parecia estátua...e na mente..-Por que que eu falei isso?
Coloquei o fone na base e fui assaltar a geladeira.
E logo o maldito telefone toca, interrompendo os meus pensamentos.
-Desculpa Pedro, eu sei teu telefone, há muito tempo....sei onde você mora, e sei , mas agora eu não consigo dormir sem falar com você...posso ligar para você e falar com você?, pediu quase que chorando.
-Tá, depois tu me conta essa história, porque não consegue dormir cara, arrependido?, perguntei.
-Não, capaz, só tô pensando em você, tu ficou de cara comigo, porque você não quis entrar, se arrependeu ?
-Cara, tu me liga essas horas e vem com papo desses, cala a boca, desliga essa merda e vem aqui, porque eu também não vou dormir sem você do lado seu puto!., e desliguei o telefone e me fui pra cozinha, tava morto de fome e agora ia precisar de muita energia.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Sem você eu não vou dormir.

Peguei na mão dele,olhei carinhosamente, quase que pedindo calma, relaxa, logo a gente se mata de vontade e a vontade nos mata.....
Ele estava ficando nervoso, percebi, me disse em tom áspero, ordenando- Tá liga esse carro e vamos!!,...-Eu vou ir, e você não vai comigo!, falei imitando o tom áspero, firme e com cara de bravo, ele meio que assustou-se...ficou paralisado...
-Vai deixar a moto, perguntei, ele se desmanchou em sorrisos e me abraçou...-Merda, tu ta me deixando maluco, sabia cara?, disse ele.
-Nem ''arreparei'' disse eu, mas é normal isso, sempre fui lindo, macho, gostoso e deixava 'as' e 'os' bem doidos, disse rindo, sarcástico, ele me deu um tapa de leve nas costas e -Pensei que tinha ficado de cara comigo, você fez uma cara de mau, que me assustei, disse ele.
-Reparei, disse eu puxando os cabelos dele pela nuca e mordendo seu queixo, ele só fechava os olhos e se arrepiava todo, eu imaginava as reações por todo o corpo dele, aquela bunda devia estar pegando fogo, a cueca dele devia estar uma gosma só, e o coração parecia saltar pela boca, o calor do hálito dele era febril, mas eu queria mas queria deixá-lo pior, queria ouvir ele quase implorando por mim, por meu peso em cima dele, eu dentro dele...queria, era questão de machismo , de sadismo light, se é que isso existe, mas queria ver ele ardendo e pedindo que eu o comece. E na real que queria mesmo era ver ele montando na moto e dando aquela jogada de perna onde eu podia ver até o que nem existia, hehehe, e pior falei pra ele, coisa que logo depois me arrependi.
Ele foi pegar aquela moto como nunca havia ido, ele tinha um sorriso muito malvadão na cara deslavada dele e sacana, doce e sacana ao mesmo tempo.
Logo entendi por que, ele ficou na minha frente, na do carro o tempo todo, quando nos dirigimos para a cidade, ele montou com toda pompa e fez aquela cena , dezenas de vezes , montava e desmontava e ria feito um retardado e olha pra minha cara de idiota tarado como se meu dedo estivesse no ´´repeat´´ da cena do DVD, ele montando, a tirando a perna, desmontando e rindo..e eu olhando ,devia estar com bába escorrendo pela boca, mas era a cena véio, ele era o cara, aquela bunda e coxas, Deus que me perdoe, mas era a maravilha da natureza masculina, e no caminho ele levantava e sentava a todo instante...aquela calça jeans devia ser a mais feliz de todas as calças jeans do planeta...
Uma hora eu dei uns gritos para ele se cuidar, cuidar a faixa, ele parecia criança de bike correndo pelo mundo sem obstáculos, pra vocês verem o que um homem causa noutro .(hehehehe)
Realmente ele estava doido e eu adorando- o doidamente, estava me sentindo um gurizão que descobriu o prazer de namorar um homem.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Dois homens e um só pensamento.


Não sei bem, me lembro do gosto, do cheiro dele, mas como acabamos, ali, parecia ter se perdido na memória....
Eu tentava entender, para poder me conter e não pegar ele valendo, comer ele e deixar ali mesmo, usado e abusado, no bom sentido.
Droga!, é foda ter que se controlar, segurar o tesão, a vontade louca de fazer sexo logo e satisfazer a minha vontade, mas ele tava me levando no bico direitinho, tava mas do que na hora de eu começar a mandar na brincadeira.
Deixei ele curtir o peitão peludo, fiz carinho no cabelo dele....dei uns beijinhos tipo, protetor...e fiquei olhando pro nada...
Já estava conformado que seria só aquilo , provocações, arretos, beijos, delírios e romance, meu pau já tinha percebido antes de mim, já tinha se acomodado entre as bolas e pegado no sono diante da falta de "trabalho", mas a paisagem era linda além do corpo e cheiro dele, valia a emoção e nosso abraço carinhoso.
Afastei ele de mim, pegando pelos braços, com uma certa delicadeza nada comum em mim, vi seus olhos brilhando de felicidade ao fitarem os meus....
Peguei suas roupas e alcancei em suas mãos, ergui sua cueca, coloquei a minha , vesti as calças, a camiseta encharcada de suor enquanto ele permanecia imóvel me olhando fazer tudo isso....
Acho que havia decepção no ar, pela minha desistência de ataque...mas era o que eu queria naquele momento...cansei de esperar um sinal e até romance tem hora e lugar, e com certeza aquela paisagem e cena, merecia muito sexo animal e sujeira do mato grudado no corpo e roupas...mas, respeitei o tempo e limites dele, e na realidade, eu queria era uma piscina, banheira cerveja ou coca-cola e quem sabe , ele do lado, cheio de amor e vontades....imaginei....viajei....
Um banho e uma coca!, falei quebrando o silêncio matador de tesão, e um beijo.....
Ele sorriu....-Posso ser o carinha do beijo?, perguntou ele...
Ele já estava vestido, mas sem camiseta...olhei aquela figura linda brilhando no sol.... os cabelos loiros dele, seus poucos pêlos e seu olhos lindos azuis....me deixavam meio bobo...admirando , sorrindo...putz, pensei em paixão pintando na área, mas não me assustei, puxei ele contra mim, beijei com violência, pegada valendo mesmo, -Só se for você, disse eu, mas tu paga a coca e da banho em mim?, falei.
-O macho, que paga as contas, e o macho que dá banho....disse ele, e se aconchegou novamente no meu colo/peito.....
Merda!!!! , pensei...esse carinha tá me levando na conversa, mas não ia deixar barato não.
-Pensei que fossemos dois machos....falei com tom de voz , meio decepcionado...
-E somos , disse ele meio brabo...mas me referi ao macho você....disse com ar de brincadeira, o macho eu fala para o macho tu, que não tem grana nem para a coca, e pede que o macho compre uma e que o beijo eu dou milhões e sem custos, e riu muito falando assim, mas parece que algo o fez parar e me olhar fixamente, sereno, sério....
-Acho que estou bêbado, sem ter bebido, disse ele.., estou com uma sensação de estar completamente grogue.......sorriu...ainda me olhando ...
Acho que os dois estavam muito afim e se perderam naquele tipo de sensação que provocavam um no outro, mas não sabiam bem como lidar com toda aquela avalanche de sentimentos e emoções, preferimos nos conter e entender ou tentar controlar, eu diante da constatação apenas sorri e convidei ele para irmos embora ...
Eu não sabia o que fazer com as mãos na chave do carro e querendo não ligar e ir de volta para a cidade...queria , pegar ele...olhava pra ele e para a cidade, eu ligando o carro deixaria tudo para trás ou jogaria um balde de água fria naquelas sensações fantásticas que sentimos?...ele se atirou em cima de mim, -Não quero ir embora daqui, quero ficar com você! disse ele com a voz triste e quase embargada, gaguejante...
Mas vamos para um lugar tranquilo e seguro, só nós, onde a gente possa ficar em paz e curtir tudo, disse eu.
Ele não queria me largar, nem deixar eu sair dali...me beijava o pescoço e a boca com avidez e quase descontrole...
E eu mais velho tentando controlar ele e a mim mesmo.Eu tava é louco para ser o macho dele, ver ele pelado, de 4, de costa linda de mordidas, comer aquele cuzinho lindo que imaginava através do toque dos meus dedos...lamber aquele rabo gostoso, cansar e me acabar todo dentro dele...mas no carro era desconfortável e sofredor, e sexo não combina com isso, queria era contemplar aquele corpo e curtir cada pedacinho dele...cada momento, cada toque ,cada gota de suor....falei isso pra ele, que queria ficar sossegado e cuidar bem dele...ele sorriu e aceitou,-Então vamos, disse e fez cara de emburrado, carinha linda até brabinho ele tinha...sorri ,dei uma piscadinha e liguei o carro.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Mas ah!, essa eu não perco.

Tirei o pau pra fora, segurei firme , daquele jeito ameaçador que as veias saltam e a cabeça fica maior e chega brilhar, ainda mais melado....olhei pra ele com cara de cachorro sem dono e disse com a voz mais de coitado ainda,- Você vai me deixar assim, mal, vai dispensar isso tudo?
Nem deixei ele responder, peguei ele e virei de costas pra mim e abracei forte, meu pau entrou no meio das coxas dele, comecei a morder a nuca dele e puxar ele contra mim ,pela cintura.Ele não mostrou resistência, nem mexeu a bunda pro meu pau sair dali ou estimular minha vara, ficou meio parado...e eu de-lhe morder, beijar, acariciar ele todo, beijei ele na boca, para ver se havia sinal de recusa, indiferença, dai eu ia deixar ele mal e me parar de louco, tipo, tudo bem, vou respeitar a tua vontade e falar pra irmos embora...etc....etc.., mas ele me beijou com muito tesão e força, e soltava aqueles suspiros gemidos....
Afastei um pouco meu pau daquele rabo lindaço, peguei a vara e ajeitei no cuzinho dele, senti aquele calor e liso, rasvaloso quando a vara acha a porta do cu do cara, acertei a mira, ele não fez e nem disse nada....e eu muito louco pra meter valendo, mas me segurando e esperando o berro de; para!! , não quero!!, mas não veio nada daquela boca linda, a não ser gemidos.
Ajeitei e forcei a entrada, ele segurou a respiração e ficou duro, paradão.....putz, assim dificulta e eu não queria machucar nem assustar a presa.Uma mão minha segurava minha vara pra não escapar , até meter tudo ou sentir que a coisa ia, e a outra, o braço, parecia estar dando uma gravata nele para não escapar...bom, eu via e pensava em tudo, era a senhora estratégia, quero fazê-lo feliz mas também não sou de ferro, mas aquela posição parecia mais pra estupro que sexo consentido,e como eu o conhecia pouco, quase nada...pensei que se eu fosse ele, não iria me soltar e dar na marra, a não ser que ele fosse meio doidinho e curtisse uma pegada na marra.
Ah , merda, desisti de pensar e ele não estava escapando, reclamando, afrouxei o braço e beijei o pescoço dele com carinha , bem de leve...e falei - Você é um macho lindo cara, sabia, me deixa bem loucão,'' pensei,não vou chamar ele de gatinho, gato, homem, achei aquilo meio viadinho na hora, vai de macho mesmo, que o cara sente o respeito e fica seguro e libera a mente e o resto , hehe...
Mas não deu outra, ele deu uma ''vastrada''( ir para trás, dar ré), empurrou a bunda contra mim , mexeu, tipo ajeitando meu pau, segurou minha mão que segurava meu cacete e empinou a bunda e veio bem devagar....meu pau tava todo melado e tinha lambuzado a bunda dele, não tinha erro era só meter e deu, mas ele parecia sentir dor ou desconforto...perguntei se tudo bem...ele soltou meu pau, tirou o pouco que eu tinha conseguido meter...e....-Nunca fiz !......
Parece que o sol havia sumido, que as cigarras e gafanhotos no meio do trigo havia morrido todas naquele momento.
Ele virou e aconchegou o rosto no meu peito me abraçou carinhosamente, ..

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Dois Machos Sob o Sol...


A cueca e a bunda dele estavam geladas por causa do suor e calor, e aquele sol ardendo no coro, me dava mais tesão.
Enfiei a mão na bunda gostosa dele, pelo lado da cueca, senti ele soltar um suspiro meio gemido, ele estava no ponto de abate, mas era a minha vez de torturar ele....
Coisa mais doida é o tesão que dá, quando eu sinto que o carinha esta querendo me dar , e se entregando, se soltando nos meus braços...
Coisa de louco, a bunda dele, ..os pêlos era durinhos..a bunda duraça estava todo arrepiadinho, também eu grudado no pescoço, na boca dele, segurava ele num braço eo outro passeava pelas costas , bunda e coxas dele.Ele estava entregue naquela posição, eu escorado no capô e ele sem camiseta e calças arriadas, apenas parte da cueca tapava pouca coisa ainda nele...mais a bunda que o resto..
Mas eu queria dar pra ele, o romance que ele tinha imaginado...mas minha mente só via ele de 4 , ele berrando, pedindo, querendo mais, ficando doidão me dando, sendo dominado, possuído..e ele parecia tão indefeso ali, nu, entregue..era virar, cuspir e mais um pra coleção.Eu queria meter, mas olhando ele sorrir, feliz grudado no meu peito, acariciando meus pêlos...,tipo pensando, estou onde sempre quis estar, nos braços dum macho protetor, garanhão, que vai me amar e respeitar....
Eu hein.
Peguei ele pelo rosto...sabe apertar os dois lados da cara com uma mão e fazer biquinho na boca da pessoa?, isso, assim, peguei ele e fiz isso....ele sorriu...era doce aquele olhar, aquele sorriso...
e eu cheio de maldade, beijei,lambi os lábios dele daquele jeito...larguei seu rosto, apertei bem ele com o braço...juntei valendo, enquanto o beijava meio furioso....e a outra mão, ah! a outra mão , a direita da maldade, desceu até próximo da bunda, mas ainda nas costas dele, aquele suor tudo parecia travar minha mão, mas dava uma sensação boa e sentir ele se arrepiando, me fazia sorrir silenciosamente e pensar muito mais em abusar daquele pedaço de homem.
Passei a mão em movimentos de vai e vem até que sentisse meus dedos de baixo do elástico das cuecas dele, me contorci todo quando senti os dedos no rego dele , húmido e quente.
Desci meio que afobado com a mão toda tomando conta da bunda era uma senhora bunda, e com o punho, sem tirar a mão daquele rabo, fiz as cuecas deslizarem para baixo.....agora sim, ele estava quase sem nada, devia ser lindo ver ele de costas com aquele bundão branco, suado, ao sol...peguei as cuecas dele pelo lado, baixei meio que bruscamente, ele só gemeu..um lado ainda estava cobrindo parte da bunda, mudei de mão e baixei o resto..soltei ele um pouco...ele se afastou, abri meu cinto, desabotoei minhas calças, baixei até ficar no meio das pernas mas de cuecas ainda....ele me perguntou o que eu ia fazer...sorrindo..maroto....
Dei um beijinho, mordi sua face, orelha e falei..baixinho no ouvido dele, - Vou te comer, meu machinho lindo.
Ele me olhou sorrindo e disse, -Mas não vai mesmo.

domingo, 10 de janeiro de 2010

Fields of Golds.

Continuamos a nos beijar, meti as mãos dentro da camiseta dele..tesão aquela barriguinha dura e peludinha...peito forte e quase sem pêlos, desci, coloquei as mãos dentro das calças dele..senti oe pentêlhos macios com as pontas dos dedos...ele abriu o ziper das calças...peguei as pernas das cuecas dos dois lados..e desci devagar...dava pra sentir a resistência do pau dele duraço preso dentro da cueca abri ela para frente e ele suspirou...olhei para baixo e vi o pau dele apontando para frente, todo melado...era bem branquinho e a cabeça pequena e cor de rosa bem vivo, forte...era médio, nada muito grande...pensei...vou fazê-lo se sentir o macho...mas ele sabe quem é o macho nessa hora....peguei o pau dele com carinho...e comecei a acariciar, punhetar...ele suspirava e gemia..fui fazendo carinha no pau, bolas..pentêlhos com uma das mãos e a outra enfiei pela perna esquerda das calças dele até onde meu braço ia..contornei a coxa e trouxe a mão para trás e baixei as calças dele, mas mantive a cueca vestida nele, só com o pau de fora...beijo, carinho no pau e calça arriada...pude sentir as coxas brancas e pêlos loiros escuros queimando ao sol.Ele tinha umas coxas lindas, grossas e agora eu podia sentir muito mais a bunda dele contra meu pau...ele só de cuecas me deixava com mais tesão, tirei sua camiseta e abracei novamente envolvendo ele todo e beijando sem parar..pescoço, boca, ombros..e apertando ele contra mim....as vezes eu roçava a bunda dele com meu pau, eu de calça jeans ainda..dava pra sentir as cuecas dele indo junto..deslizando sobre aquela bunda dura e grande...
Todo esse tempo e tudo isso, e eu mantive minhas mãos longe dela...mas a mente o tempo todo, eu só pensava em lamber aquele cuzinho suado...mas eu queria ele livre...solto...seguro..queria ele doido..se oferecendo..queria que ele perdesse o controle.., eu sempre gostei de ver os caras perderem o controle, a vergonha, sem deixarem de serem homens e masculinos.
Eu podia e sabia me segurar e aguentar a dor e o tesão,a recompensa é maior depois, porque ter um cara ali, desejando que eu seja o macho dele , é melhor que a gozada.
Mas aquela bunda me deixava mal, ele ali, quase nu...suspirando, gemendo..e não usava aquelas mãos nem pra conter mais as minhas....pensar aquilo me fez dar uma parada, acalmada, e segurei a onda dele...fui parando de vagar...contendo ele aos poucos...fiquei mais no carinho...no sussurro...na pegada..falei umas coisinhas boas no ouvido dele, só ouvia ele sorrir e se contorcer com o som da minha voz no ouvido dele...minhas mãos se limitavam ao abraço e uma carícia na barriguinha dele que era uma loucura...por pouco eu não perdia o controle, quando sentia a bunda dele roçar meu pau....a minha imaginação se perdia era como se eu visse a bunda dele se desenhando na minha pélvis a cada roçada que a cueca deslizava para os lados..estava ficando maluco eu, e ele ali...se deliciando com meus carinhos, e provocações...ah pensei em vingança...vou deixar ele mal e parar tipo, macho neura surtado, dar uma de hetero aliciado, seduzido.., mas o pensamento me fez rir, e ele querer saber o que era engraçado...
-Nada, lembrei dos nosso anos de olhares e olhares...e teu ataque de fúria hoje...
-Você me tira do sério, disse ele....
Perguntei porque...como, se poucas vezes falamos...ele disse...medo...medo..medo...bem assim..parecia eco...medo de você ver nos meus olhos o meu desejo..o meu segredo...o meu tesão por você...dai ficava meio maluco e ..fugia do teu olhar....
-Fugia?, você me encarava e muito, o tempo todo...falei.
Ele virou-se, colocou os braços em meu pescoço e me beijou.....demoradamente....
Correspondi.....mas fiquei perdido naquela conversinha...e ele nu me abraçando..e beijando...
Não pensei duas vezes, peguei ele pela cintura e senti suas e as minhas pernas tremerem, quanto peguei na bunda dele....

sábado, 9 de janeiro de 2010

Dois homens apaixonados.

Putz, aquela saliva se misturando com suor, deixa qualquer macho no cio, minhas bolas doíam de tanto tesão, meu medo era meter os pés pelas mãos e estragar tudo, mal eu conseguia me segurar, estava tentando me soltar, mas controlando tudo.
Queria meter as mãos dentro da calça dele, sentir nos dedos aquela bunda suada, mas me contive, eu parecia um cavalheiro beijando uma dama, no sentido do controle claro.
Parei de beijar ele, apenas abracei , subi minhas mãos pela camiseta molhada de suor...uma das mãos sentiu suas costas nuas e húmidas....parecia que havia passado sabão...deslizava facilmente...ele suspirou ao enfiar o rosto sob meu pescoço, cheirar e lamber o suor que escorria pela minha barba.....-Sempre imaginei eu fazendo isso e pensando que cheiro você tinha, disse ele.
Sorri, respirei fundo...e o envolvi no abraço mais ainda...ele se soltou e nossos corpos se acomodaram um no outro.
-E é como você imaginava?, perguntei...,-Ainda não sei, preciso mais que um cheiro e um beijo para saber, disse e me encarou com aquela carinha de piá arteiro e corado.
Olhei ao redor...tudo tranquilo e quente, nós e o tempo..apenas uma brisa leve, fazia o campo de trigo dourado, parecer ondas do mar , falei que aquilo era lindo...ele virou e olhou a imensidão dourada..amarela..ficou de costas pra mim e segurando minhas mãos na sua cintura....Meu pau latejando, encostou na bunda dele...ela parecia mais dura que ele...e era grande...a bunda , o pau...duros...grandes...e nós abraçados..olhando o campo de trigo e seu movimento ....senti sua orelha no meu nariz....ele tinha um cheiro de quem havia saído do banho...mas não era sabonete...era suor....as mãos dele me segurava, ele as mantinha incapaz de usá las...mas eu tentava, ele apertava elas contra si, ele queria que eu ficasse parado assim..tentei soltar....mas ele dobrou o pescoço, como que pede um beijo...e consegui me distrair...beijei o pescoço dele..lambi...suspirei...quase implorei...por algo mais..que ele soltasse minha mãos..baixasse as calçar e me pedisse pra comê-lo....ah!! minha mente nessas horas era dominada por um animal no cio..........eu perdia a civilidade diante de um carinha assim..uma bunda grande dura e linda...pelo jeito...imaginei o suor escorrendo nas dobrinhas da bunda dele...na cueca...os pentêlhos do cuzinho molhados..de suor...aquele cheiro dele, lá deveria ser uma loucura...ele todo cheiroso, limpinho....bunda suada...eu ia enlouquecer pensando nela desse jeito...minha parecia que havia lambido sanrisal...verteu saliva imaginando o cuzinho dele suado..., enchi a boca dágua...meu pau deu uma empinada,guinada dentro da cueca....ele sentiu na bunda , o safado..e sorriu...marotamente.Mordi seu pescoço, ele apertou meus braços como quem censura.Não deixei que ele se movesse também, puxei ele valendo contra mim, e quis alcançar a boca dele..com a minha....ele entendeu ,virou o pescoço e me beijou suave,..e eu agressivo...mordendo..lambendo...apertando nossos lábios e ele de costas contra mim, a bunda dele parecia que ia colocar fogo no meu pau...aquelas calças jeans pareciam parte de nossas coxas paus e bundas....eram geladas pelo suor e esquentadas pelo tesão.
Soltei minhas mãos...ele não reagiu...ele não virou de frente...ficou nos meus braços...de costas..me beijando...pensei....é agora!!!

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Quando a Gente se Beija....

Quando a ansiedade é maior que o tesão corre-se o risco de brochar, aqueles 2 ou 3 Km, pareciam intermináveis, eu e creio que ele também, não víamos a hora de chegar, ficar perto um do outro e ...e.....não sei....se um beijo, uns abraços, ou sexo animal mesmo, ali, ou em qualquer outro lugar.Eu na real mesmo, se tudo dependesse de mim, parava na beira da faixa e derrubava ele no mato e...e...e.... .hehehe....
Havia um lugar perto da cidade, numa estradinha que leva a colônia alemã, onde o terreno era mais alto que a cidade, dava pra se ver toda ela lá de cima, tipo as cidades dos filmes do Spielberg e era pra lá que eu queria ir .Assim que fiz o contorno e acessei, ele passou na minha frente e levantou a bunda da moto, parecia dizer...-Olha bem o que te espera!, e eu ficava sem ar quando via a bunda dele, era muito masculina e grande, era a perdição de um homem, e parece que ele não se dava conta mas sabia naturalmente ser desejado, nem precisava de mais nada, roupa, cueca, nada.. calção.. bom eu já tinha visto de roupa, calça ,calção, bermudas, agora veria de cuecas e sem nada...era o que eu mais desejava naquele momento.Estacionei, ele parou na minha frente , ficou em pé na moto, olhando pra cidade, e eu olhando pro paraíso....fiquei dentro do carro admirando ele naquela posição.
Ele desceu ,me olhou dentro do carro sorrindo e suando....sorriu pra mim...fez cara de tímido, envergonhado, desci do carro...aquilo parecia mágico, não sei, parecia que éramos um só, alguma coisa nos unia com o olhar e atrai de uma forma quase incontrolável.Fiquei parado na frente dele, quase tocando , grudando nele, só ouvi o som da minha respiração ofegante e a dele acelerando, pequei ele pelas mãos, aproximei minha boca da dele, fiquei assim,querendo beijá-lo mas não beijando.
Só respirando o mesmo ar e sentindo o som dos nosso corações disparados, a respiração era meio automática e forçada, o rosto dele suava e brilhava ao sol,...meu nariz tocou o rosto dele, e o dele o meu...as bocas se mantinham abertas e auxiliando a entrada de ar...era preciso, parecia que nos faltava ar mas espaço tínhamos de sobra, para ficar mais perto e centímetros parecem metros nessa hora.....
Senti uma tremedeira nas pernas quando ele apertou minhas mães e me deu um beijo suave...senti que era romance o negócio dele, apesar de eu me sentir um animal pronto pro acasalamento, ele conseguiu ser suave e delicado, coisa que ao vê-lo, ninguém perceberia, eu um grosso, e ele um gurizão metido a macho, não parecia ele, a visão que eu tinha dele...mas...foi ai que ele me pegou, no contraste do grosso e macho, e na delicadeza masculina de um beijo,coisa até então, não concebida por mim.Eu senti isso, mas o beijo masculino é forte e pegado, mas acho que ele queria era me controlar, domar, ele sentiu que eu estava a ponto de bala, de atacá-lo sem dó, e provavelmente , isso ele não queria.Senti o calor e a humidade da boca e língua dele,lambendo a minha...meu pau estourou pelas pernas da cueca...encostei ele no dele, que também não me parecia um santo adormecido...apertei as mãos dele e puxei pra perto de mim...levei uma delas para trás e forcei as costas dele contra mim,meu pau latejava grudado no dele, dava pra ouvir o ruído das calças jeans se esfregando...

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Um Amor de Verão........


Um homem precisa transmitir segurança, confiança, aquele apoio no peito deixou isso bem claro, ''confio em você e estou seguro com você'', minhas palavras e atitudes não o haviam decepcionado, apenas deixado desconfiado,inseguro, mas naquele momento, ele se desarmou e se entregou.
Ele segurava minha mãe firmemente, e fez questão de ficar aconchegado no meu peito.
Nem o maior dos tesão, compensa a sensação de afeto e entrega que um homem pode passar para o outro, com esse tipo de atitude, claro, verdadeira..da alma...sem nada mais no corpo e coração...apenas...entrega total.
Ele ria solito, sem me dizer o que era, acho que meu silêncio era mais importante naquela hora...deixei o sorrir e se soltar.
A mão dele suava,mas não largava a minha, o coração dele, dava pra ouvir perfeitamente, forte e compassado...sua respiração, acelerada e sincronizada....seu corpo tranquilo e relaxado, permanecia encostado em mim...sentado...senti sua mão esquerda na minha coxa, enquanto a direita não soltava um milímetro da minha mão esquerda, que apesar de suada e deslizando, ele fazia questão de apertar.
Sua mão esquerda foi tirada meio com susto da minha coxa,quando tocou a cabeça do meu pau que parecia saltar da calça jeans azul apertada, quando senti seus dedos nele, dei uma guinada na vara e senti a cueca melada...abracei sua cintura com a mão direita, logo abaixo das costelas e inicio da bunda..do lado...sua camiseta grudava na pele...minha vontade foi de pedir para ele deixar a mão sobre meu pau e enfiar a minha dentro da calça dele....na bunda....que devia estar suando , molhada, mas me contive e só me restou sentir ele e imaginar o resto....
Fiz um carinho nas costas dele, dei um beijo na cabeça e pedi para ele levantar, pra sairmos dali...ele atendeu com tranquilidade o meu pedido...afastou-se com calma e ficou sentado de cabeça baixa....olhando para seus pés...eu permaneci meio de lado, como eu estava,olhando para ele...esperando que ele me olhasse, o que aconteceu logo em seguida....sorrimos um para o outro...queria dizer alguma coisa...mas nossos olhares sempre disseram tudo, era hora de atitude, pois ele já havia tomado as suas....agora era comigo...
-Pega tua moto, me segue...,disse eu.
Ele atendeu, fiquei olhando ele ajeitar o pau dentro das calças...erguendo ela meio sem jeito..era muito linda aquela bunda grande em movimentos muito masculinos, aproveitei e dei uma ajeitada no meu pau e na cueca, senti novamente aquela gota melada espalhando-se pela cueca., imaginei a cabeça dele melada deslizando entre a bunda dele e sentindo o calor da entrada, bem devagar....meu pau latejava diante desse pensamento.
Liguei o carro e sai na direção da BR, e cuidava ele , que me segui cego, pelo retrovisor...
O sol devia estar castigando a sua pele branca...a camiseta grudada ao sabor do vento, definia seu peito e barriga...que puta vontade de pular naquela garupa e enfiar as mão dentro da camiseta, das calças e sentir o nosso suor se unindo, fazendo nossos corpos deslizarem um no outro...imaginar ele de 4, me dava água na boca...lamber aquela bunda suada, me fazia esquecer da estrada...pensei, chega de tortura, quero ser o macho dele agora, nem que seja dentro do carro, mas fiquei com receio de ofendê-lo novamente, mas ele tinha cara e jeito de quem gostava de um macho que o pegasse valendo...mas que fosse antes um romântico e calmo..., e nisso eu era um zero a esquerda....não sabia como agir assim...calmamente e romântico...eu estava mais pra animal no cio, quase sempre, em se tratando de sexo com outro homem....

Um Tesão de Verão.....


-Tem piscina na tua casa? , perguntou ele, eu disse, - Sim, mas pra tomar banho lá, só pelado e tem que me dar!.
O sorriso dele desapareceu da cara, seus olhos me olharam incrédulos e furiosos.
Ele virou as costas e subiu na moto, ligou,deu uma puta acelerada, me olhou com cara de raiva colocou o capacete e sai empinando a moto.
Pensei o que eu tinha dito de tão ruim assim que despertara nele aquela raiva toda, dei uma olhada na rua...ninguém por perto, liguei o carro e segui meu caminho, hora vontade de rir, hora cara de paisagem e olhar no trânsito.
Logo avistei a moto na descida da rua, em frente a piscina do clube que ele ia,e ele sentado nela , de lado, braços cruzados, sem capacete e olhando para os carros que desciam em sua direção, quando ele me avistou e reconheceu, levantou fez sinal para eu parar, encostar perto dele.
Passei reto, segui adiante, como se não tivesse o visto,vi pelo retrovisor ele subindo apressado na moto e tentando ligar e segurando o capacete enfiado no braço.
Não acelerei, nem aumentei a velocidade, segui normal e em direção a minha casa, logo ouvi ele emparelhado ao lado do carro, janela do carona e me pedindo aos gritos que parasse,-Encosta!!, dizia ele, quero falar com você, cara.
Não desci a rua que me levaria para casa, decidi tirar um sarro, segui reto, a avenida era comprida, mias umas 10 quadras, terminaria na BR e bem em frente a um motel.
Um sorriso safado surgiu em meu rosto, torci para que ele não tivesse visto, liguei o pisca como se fosse dobrar ou estacionar, e vi a moto dele ficando para trás do meu carro, mas me seguindo, não estacionei nem dobrei, nas duas quadras seguintes, ele parecia ansioso e inquieto me observando.
Logo adiante vi que haviam uns trechos da rua, sem carros estacionados e na frente de empresas ou armazéns fechados, decidi estacionar.
Quando estacionei, vi pelo espelho retrovisor ele fazendo o retorno e voltando na direção da piscina e sumindo da minha vista na baixada da rua.Coloquei a chave na ignição, ia ligar o carro e vi uma moto subindo e o cara de capacete, ele estava sem , liguei o carro e ouvi uma buzina de moto, era ele novamente, -esse cara ta me tirando, pensei.
Ele estacionou na frente do carro , desceu e veio na direção do caroneiro, abriu a porta e sentou suspirando forte e profundamente.
Ficou em silêncio alguns segundos, aqueles silêncios que parecem eternos.
-E ai cara, disse eu.
Tu falou sério aquilo?, perguntou ele.
-Aquilo o que cara, perguntei com voz de brabo.
Claro que eu sabia a que ele se referia, mas gosto de que digam exatamente o que ouviram e querem discutir ou contestar.
-Aquilo de te dar quem toma banho de piscina na tua casa..., falou, meio com medo, receio....
-Claro, disse eu, seco e sério.
-Mas tu é bagaceira e vadio desse jeito véio? falou ele , meio afirmando, meio perguntando...
-Se você acha isso daquilo, sim , disse eu.
Ele se preparou para sair do carro, meio resmungou alguma coisa inaudível, segurei ele pelo braço, e perguntei-O que você disse?, ele me olhou sério...-Não acredito que tu seja assim, falou aquilo com ar de decepção, mágoa talvez.
Senti uma coisa incrível, fiquei feliz, parecia que eu tinha entendido ele, visto e sacado tudo que vinha acontecendo cada vez que a gente se olhava e se falava, aquele gesto , aquelas frases, aquelas atitudes, me fizeram crer que ele apenas queria que eu fosse aquilo que ele queria, aquilo que eu também pensava, mas que aquela frase brincalhona, de me dar pra tomar banho na piscina lá de casa havia destruído tudo.
Sorri , olhando pra ele....ele sério e cara de furioso- Não em piscina lá em casa véio, falei zoando.
O semblante sério e a fúria desapareceram do rosto dele, dando lugar a um imenso e lindo sorriso.
-Fala sério cara, disse ele sorrindo.
É sério, disse eu , a não ser que seja na de plástico das crianças, falei e cai na gargalhada.
Ele:- Puta que pariu, só se for de 10 mil litros disse ele rindo, e deitou a cabeça no meu peito.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

E agora....


Mais estranho ainda, é que se passava uma semana , 1 mês e eu não via ele pela cidade, e de repente, ele surgia do nada, em algum lugar e começava aquele namorico visual...
Passamos um meio ano, nessa , e sempre aqueles encontros inesperados , surpreendentes e aquela melada na cueca, suspiro, respiros, vergonha,timidez, mas uma puta vontade de ficar se olhando, uma vontade meio incontrolável de olhar e curtir aquela visão que proporcionava aquela emoção estranha, boa, mas contida, e guardada para aqueles momentos, poucos momentos da vida.
Não sei se ele esperava alguma aproximação minha, ou uma oportunidade para chegar e ficarmos amigos etc, etc, etc...e no que dependesse de mim, ficaríamos nessa pro resto da vida, eu jamais chegaria perto ou começaria um papo, ou daria uma chance pra ele, comigo não era assim, nem seria com ele, mesmo sentido a promessa de uma coisa antes nunca sentida, mesmo assim, a minha vida era boa demais para sonhar com essas possibilidades , aventuras e contatos imediatos do 4º .
As coisas tinham que acontecer naturalmente era mais fascinante , era mais seguro e tranquilo, ao acaso, nada de forçar ou intimar, e se é pra acontecer, acontece, independe de intervir no destino, claro, que a gente faz a nossa parte, mas nada de empurrar a situação por causa de um desejo , uma fantasia, ou apenas um pensamento delirante de um cara que queria mais era comer o outro ou dar apenas, a coisa só vale se muda e melhora a pessoa e a vida dela, se não...deixa seguir o rumo natural da história de vida de cada um.
Um dia , parado, na sinaleira, alguém de moto bateu no vidro do carro, ouvi um -E ai cara, beleza?, o sinal abriu e eu segui, vi que era ele, a voz dele, vi que ele veio atrás , passou por mim e fez sinal de positivo, dei um toque na buzina e ele seguiu em frente, era um tesão ver ele sentado na moto,aquela bunda não precisava ser empinada, era boa demais sentado normal mesmo.
Mas ruas não são sempre preferenciais, logo ele parou, eu parei do lado, nem abri vidro, queria deixar claro que se ele quisesse alguma coisa ia ter que ralar muito.- Que tal uma cerveja depois do futebol?, gritou ele, -que futebol alemão? perguntei eu.-Te vi na quadra do Clube semana passada, falou ele, estava assistindo vocês jogarem.Sexta a noite ou Sábado a turma batia uma bolinha nas quadras de um clube da cidade.-Hoje não tem, disse eu.Ele encostou a moto no meio fio e me fez sinal pra parar ao lado....meu coração saltou pela boca, mas mantive a tranquilidade.
Mas era um baita cara de pau ou não tinha nada a temer,esconder etc... não sei, mas eu tinha uma puta vontade de esculhambar e falar na lata dele, - E ai cara, afim de me dar hoje?, essa frase me fazia rir e segurar a puta vontade de dizer ou ouvir isso dele, me dar ou me comer..sei lá..mas era isso que ele me fazia sentir e pensar.
Parei, ele tirou o capacete e abriu um puta sorriso meio sem vergonha e safado, eu sorri..nos cumprimentamos , mão , mão, ele se levantou da moto, aquela jogada de perna por cima do assento, me deixou imaginando ele peladão naquela posição, devia ser uma coisa que deixaria qualquer macho doidão.Ele veio e se abaixou na janela do carro,mal podia esconder o pau duro dentro da minha calça ,torci para que ele não notasse.-Sem futebol, sem cerveja então?, falou ele.
É , a gente ai depois come e toma umas , falei.Era Sexta-feira,o puto guardou o dia.
-Tá indo pra onde ,perguntei, e nem me perguntem porque perguntei isso, ele tinha tomado a iniciativa e eu não ia ficar só olhando pra ele como das outras dezenas de vezes.
Ele disse, -Vou na piscina, estou de férias desde segunda e não pude viajar, grana curta, etc... A piscina a que ele se referia ficava umas 5 quadrar da minha casa.
>>>>>>>>>--segue--->>>>>>>>

Tormento.

Paguei, peguei meu pacote e me despedi da caixa e dele, sorriso, tapinha nas costas, -Pensei que vocês fossem parentes, ouvi a caixa dizendo pra ele enquanto eu me afastava, não ouvi nada dele..
Ficou nisso.
Outro dia estou passando em frente a um cachorrão (esses barzinhos que vendem xis e lanches), vi ele abraçado com uma guria e tomando cerveja.De namoradinha ele, também, uma gracinha daquelas não podia estar solteiro ou livre , disponível, a não ser que fosse uma bichona claro e isso ele nem com telescópio seria possível vê-lo como uma bicha, era um homenzinho lindo e masculino, se fosse bi, o que tudo indicava, era daqueles que nem a mãe desconfiava.
Ele me viu, me acenou, acenei, sorrimos..a guria me olhou...e falou com ele, deve ter perguntado quem era...nem imagino o que ele disse, aliás pensei em algo como -Bah , minha irmã, é um carinha que eu estou afim, (hehehe).
É , bem que ela podia ser irmã dele e ter essa confiança e liberdade.
Rolou um beijo, era namoradinha mesmo...mais estranho é que ele beijou ela de olhos abertos e olhando pra mim....
E eu descarado e filha da puta, fiquei olhando ele....aliás nós dois parecíamos dois putinhos se negaciando ( se encarando), cara aquilo era muito estranho.
Eu estava e fica meio perdido quando via ou me lembrava dele.
O que será que ele pensava ou queria, sentia alguma coisa muito boa vindo dele e ao pensar nele, meio um tesão maluco e uma amizade tri boa, daquelas que a gente leva pra vida toda, havia uma identificação no ar..algo inexplicável., mas havia em nossos olhares, e podia não ser nada sexual também.
Ele pegou ela pela mão e saíram em direção a rua, ele estava de calça jeans e aquele tênis de skeitista, camiseta branca, dava para ver a cueca dele, a calça era bem apertada, amigo, ele tinha uma senhora bunda, daquelas que da vontade de dar tapa, mordida lamber, beijar e dormir em cima e andando aquilo parecia uma provocação, um atentado violento ao pudor.
Fiquei esperando meus amigos do outro lado da rua e olhando pra ele sair, ele não podia ver que eu estava olhando pra ele, meu ray-ban, escondia bem a cara e os olhos, mas alguma coisa no meu corpo se manifestou vendo a bunda dele, era a primeira vez que eu encarava ela, ao ver o movimento dela, chegou a me faltar ar e o coração deu uns pulos meio doidão.
>>>>>>>>>segue>>>>>>>>>

Uma bunda de perder o fôlego.

Não era fácil dormir do lado dele, sem pensar em comer aquela bunda linda,nos conhecemos assim, do nada, um dia comprando tênis numa loja qualquer, ele elogiou o tênis que eu escolhi- Bonito esse tênis cara, quanto?.Nem olhei pra cara dele e respondi, ele disse que ficava bem no meu pé...comecei a ficar estranho,pensei que fosse alguém conhecido, olhei pra ele, sorri..falei que o que ele estava escolhendo não era legal, me lembrava ''skeitista sujo'', ele sorriu e disse que gostava do ''estilo''.
Ele era fortinho minha altura, cabelos loiros, bem grosso, olhos verdes, uma boca e dentes bonitos, tinha um cheiro bom, não parecia perfume caro ou coisa do gênero, parecia que acabara de tomar banho.
Ele falou algo mais, não me lembro não entendi e estava tentando achar o vendedor, me levantei e deixei ele solito ali.
Ele parecia um cara qualquer, não parecia um gay me contando ou tentando puxar assunto, não sei o que acontece quando alguém assim, parece estar querendo assunto ou tem algum interesse, mas fica estranho e a mente da gente já fica pensando naquilo, somos maliciosos por natureza, mas entre imaginar e criar uma situação contrangedora, fico na minha se tenho a certeza , sou educado mas dou um jeito se não tenho interesse e largo de 4, falo que na namorada, puxo assunto que desmotive o viadinho atirado.Mas no caso dele não senti nenhuma coisa nem outra.
Era só um gurizão bonito e simpático e querendo papo, mas....mas....nunca se sabe , por alguns , uma minoria bissexual ou homo, a gente e a sociedade põe a mão no fogo.
Decidi levar o tênis e fui pro caixa, logo ouvi a voz dele, -Legal, vai levar os dois, eu tmb vou, disse ele.Olhei para o que a caixa estava embrulhando para ele, era o tênis ''bagaceira'' e um igual ao meu.
-Agora só falta o ''skate'', falei e ri, ele sorriu me tocou o braço, pegou, apertou como quem diz -(Tu é foda cara, tirando sarro com a minha cara ).
-São irmãos?, perguntou a caixa, -Assim você me ofende, disse ele, sou muito mais bonito que ele, falou ele, ela olhou os dois e sorriu, preferiu ficar quieta, eu sorri, e pensei, bom , sinal que ele me achou bonito ou..só foi uma frase pronta pra quebrar o clima...?
>>>>>>segue>>>>>>>

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Metemo mesmo.

Curto meter de lado, mas cara magro é foda, fica sem ''não tem onde pegar'', parece que tô metendo na cama, sofá, banco do carro, sei lá..é estranho...e se o magrelo não colabora, colocando a bunda mais empinada para trás a coisa enfeia de vez e ele não estava colaborando e ainda queria que metesse e beijasse , dai me tapei de nojo.
meu pau escapava e não achava o caminho de volta,cuspi de novo nos dedos numa dessas escapadas de pau no cuzinho,levantei uma perna dele , achei o cuzinho e meti valendo, meio com raiva já, e ele de-lhe beijo na boca, torcia o corpo e escapava meu pau, não sabia como dobrar só a parte de cima do corpo dele.
-Fica de 4, mandei, ele disse que de 4 era ruim, ia doer que meu pau era grande, machucava lá no fundo, falei que não , que eu cuidaria...etc..
ele ficou de 4 meio sem jeito..meio sem arrebitar a bunda, mas fui puxando ele e ajeitando a posição certinha pra manda bala.
Me amarro em cuspi no cu do cara, sei lá, sei que em da tesão, e saliva tem disso, seca logo, dai é cuspe no cu toda hora, hehe...massa também é cuspi no pau e lambuzar nem o cabeção e o cu do cara e esfregar antes de por pra dentro.
Ele ficou meio sem jeito de 4, mas eu dei um jeito, mordendo as costas dele, esfregando o pau de cima abaixo no rego dele, dei umas dentadas na bunda dele, aliás pouco a bunda, mas tinha um ''corinho'', hehe....tava cheirando cuspe e pau e cu aquele rabo, isso me da tesão, nada de cheiros ruins...meti a cara no cu dele,, meti a língua naquele cuzinho magro...ele era bem branco, o cara quase nada de pêlos, só pentêlhos e cabelo, e eram duros os pentêlhos dele, e no cu tinham alguns míseros pêlinhos e bem grossos e duros, achei estranho..ou ele depilava e cresceram a pouco ou tinha sangue de negro naquele corpo.
Chupei o cu dele, arregacei com as mãos e meti a língua dentro..dava pra sentir as pregas e s pentêlhos duros do cu dele, mas faltava carne naquela bunda e rego...mas foi bom, assim ele empinou bem pra cima a bunda pra mim curtir seu cuzinho, agora eu podia ver bem ele de 4 e empinando o rabo.
Não deu outra , olhei..curti, lambuzei bem e coloquei bem na portinha do cu o cabeção vermelho do meu pau, dava pra sentir ele piscando, meti a cabeça...que tesão senti entrando devagar, cada pedaço da vara sumindo dentro do cu dele e esquentando.....ele meio que se ajeitava, queria que eu metesse tudo, pelo jeito de rebolar, de se ajeitar..e pra felicidade dele e minha claro, foi tudo...dava pra sentir ele apertando o cu colado na minha pélvis...pena não poder sentir a bunda dele na minha barriga...dai sim seria completo..muito tesão sentir o rabo grudado na barriga e o pau inteiro no cu do cara...mas ele tinha um cuzinho apertado e dava tesão meter e tirar, e sentir ele se contorcer. Fiquei de 4 em cima dele e fui metendo tranquilo, devagar, falei umas bobagens no ouvido dele, ele curtiu, sorriu...pediu pra meter mais, dizia ''fode meu cu meu macho'', não fui longe, me soltei em cima dele e ele arriou, se deitou e eu fiquei fodendo assim mesmo deitado, quando ia me acabar, tirei meu pau do cu dele e gozei em cima da bunda dele,e me atirei pro lado...arfando muito..foi tri doido gozar em cima dele...não sei porque mas foi...
Deitei do lado..e ele veio se escorar no meu peito e me beijar a boca...dei uns beijinhos meio sem graça e segurei ele no peito..ele passou a acariciar e brincar com meus pêlos do peito...acendi um cigarro, fumei, fiquei em silêncio...ele também... adormeci assim..ali..esparramado e satisfeito...
Acordei uma meia hora depois com ele abraçado em mim e vendo TV...me olhou...sorriu..me chamou de ''tiozão gostoso''...veio pra cima de mim..pegou o meu pau...me beijou, e fez umas perguntas cretinas...respondi, idiotamente , cafajestadamente...e perguntei...-Tem mais?
E teve, mas isso eu conto outro dia.

Nem sempre vale a pena...

Comer carinha magro tem suas vantagens, vai até as bolas e dá pra fazer o que se quiser com o cara.
Quando me dei por conta , ele estava cuspindo nos dedos e lambuzando o cuzinho e se ajeitando pra sentar no meu pau, eu estava com a cabeça longe, mas diante da cena, voltei pro chão ,me localizei e fiquei mais esperto.Rapaz, não tem coisa melhor que o cara saber e querer dar e tomar a iniciativa ou pedir ´´me come ´´, fico louco.
Ele era magrinho demais, não tinha coxa, bunda nada pra eu curtir ou agarrar enquanto ele se ajeitava de cócoras esfregando meu pau no cu dele, me parecia meio receoso, devia ser pra não sujar..etc..aquilo que todo mundo tem medo que aconteça.
Ele colocava , mirava, cuspia, se ajeitava pra sentar e parava e cheirava os dedos....fiquei assim meio sem jeito...mas deixei ele com seus botão mas de olho no botão dele ( putz, essa foi podre).
Peguei ele, e falei..-Cara, se der rolo paramos, ok, não te grila, senta valendo, tô curtindo tu aí tentando sentar na minha vara, ele me beijou, gemeu , suspirou e largou de mão e veio pra cima de mim naquele esfrega, esfrega irritante do início.
Peguei ele valendo, afastei-o de mim, me ajoelhei no sofá, coloquei ele deitado de frente pra mim, segurei as pernas dele e abri...tipo mulher mesmo.
Cuspi nos dedos meus , esfreguei no rego dele e puxei ele pra perto, coloquei o pau na entrada do cu dele e forcei..meio pesado mas sem meter só pra ele relaxar e liberar o cuzinho, assim fica mais fácil e ´´laceia´´ de vez.
Quando eu senti que a coisa ia mesmo, soquei tudo de vez, só ouvi um gemido seco e suspiroso, tipo alivio e tesão, ele me agarrou tipo, daqui você não sai mais, mas não meti tudo, sentia que ainda tinha uns bons centímetros pra fora..uma coisa é entrar abrindo caminho, outra e chegar lá no fundo...é essa parte que a maioria dos comedores não cuida e machuca o ´´putinho´´, depois eles não querem mais nada e fala que o cara é ruim de cama e com razão, mas...minha especialidade era meter e eu já tinha noção disso tudo, e tinha razão..não ia mais além, o reto do carinha era curto, se fosse ia dar rolo, ou machuca ou suja ...e nem uma coisa nem outra me agrada. (receita de como comer um cu sem danos hehehehe).
Bom se ia mais não ia ser já..fiquei tirando e metendo, bem devagar, pra ele senti a vara, senti cada centímetro e ficar meio doido pra eu poder socar com força, cara sem tesão não é bom, primeiro tem que deixar o carinha ''lokinho'', depois a gente que ''endoidece'', hehe, e mete valendo. Ele gemia, me agarrava,mas eu sentia a vara indo até um ponto e não ia mais.
Me soltei em cima dele,ele não curtiu, queria de ladinho, me pediu, eu tirei todo meu pau do cu dele numa vez só, me amarro nisso, acho que sou meio sadomasoquista, pouquinha coisa.
>>>>>>>>>>>>>>>segue>>>>>>>>>>>>

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Sonolência...


Não era dia , nem o cara, aquilo esta me dando uma soneira bagual. Não que eu não curta um arreto antes e depois ou uma pegada , beijos etc, mas ele não se situava e nem liberava aquele rabo, queria ficar de ''loves'' pelo jeito a noite toda.
Já estava desistindo de força a barra quando ele falou que queria chupar meu pau e inseguramente perguntou se podia.
Abri o réko (zipper) da calça e exibi segurando meu pau, no troco , o cabeção cor de rosa parecia que tinha inchado, era enorme aos olhos dele e meus claro. Eu nunca achei que meu pau fosse grande, enorme, mas naquela hora parecia ter uns 20 cm e ser bem grosso e cabeçudo; escorreu aquela porrinha pelo furinho...furão....deixando o cabeção mais brilhante ainda ...ele olhou segurou firme , mandando eu tirar a mão e se ajoelhou na minha frente.
Senti aquele bafo quente e húmido engolindo minha vara melada.
Ele forçava pra tentar engolir tudo ,mas não conseguia, ou era inexperiente ou mal cabia na garganta dele, mas ele mamava feito doido, não sabia bem o que fazer com aquilo tudo nas mão.
O carinha esfregava meu pau na boca, batia na cara dele, engolia até onde podia e soltava, lambia dos lados e beijava meu saco..meus pentêlhos, minha virilha, parecia que ia se engasgar
de tanto tesão, parecia que nunca tinha visto um pau de macho daquele tamanho ou gostoso como o meu parecia naquele momento.
>>>>>>>>>> segue>>>>>>>>>>

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Timidos ,mas nem tanto..

Dava pra perceber a decepção na cara dele, mas eu sou do tipo que só admito que o cara curte e é se ele encarar e me der.
Não curto evasivas e indecisos ou parece que é, e joguinhos de esconde esconde.
Ao passar por mim, em direção à porta, ele não bateu nas minhas costas ,nem ombro,me abraçou, assim sem mais nem menos, como mulher abraça o homem, com os braços por cima dos ombros e não pelas costas. Senti um bafo etílico e quente no pescoço, mas sinto muito véio, eu retribui o abraço direitinho, pegando ele pela bunda...putz,não tinha muita coisa ali, mas dava pra sentir os músculos saltados próximo ao inicio das costas...bundinha 3, lombo 7 ( notas numa escala de 0 a 10, hehehe).
Peguei ele pela bunda descaradamente, ele retribuiu me beijando...deu pra sentir os paus crescendo dentro das cuecas e se esfregando.Já disse que pra encarar eu sou um zero a esquerda, mas se der mole eu perco qualquer traço de vergonha e timidez, enguia a camisa dele, e enfiei as mãos nas costas, puxei ele valendo contra mim...ele se soltou como quem se entrega total...ele usava calças jeans bem largas, mas usava cinto, não sei como consegui meter as mãos por baixo e enfiar na bunda dele...era magrinho, o coitado...imaginei meu pau naquela bunda..ah! me deu pena dele...meu pau e o dele se comprimiam dentro das calças, cuecas e ele esfregava o dele no meu, muito estranho aquilo, mas eu estava curtindo dedo a dedo aquela bundinha miserável e tentando meter achar aquele cuzinho...mas o cinto dele não deixava espaço para minhas mãos grandes passearem bunda a dentro. Putz, me amarro em sentir na ponta dos dedos, os pentêlhos do cu do cara e o cu claro.
>>>>>>>>segue>>>>>>>>

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Vinho,pizza, chuva e sexo.



A pizza foi devorada, ele bebia pouco, mas dava pra ver a cara dele ficando vermelha com efeito do alcool, ele era meio solto, mas quando eu olhava pra ele e percebia alguma coisa naquele olhar, ele baixava a cabeça....
Não dava pra ele disfarçar oque tava na cara, -ele afim de mim.
E eu ia mete valendo naquela bundinha magrela.
O cara não se mexia,(Não dava abertura), andava , falava , sentava eu já estava com sono e cansado..vi que ali eu eu pegava ou ele ficaria a noite toda esperando que eu tomasse a iniciativa.
Falei que queria dormir...e que ele fosse embora..etc....claro na educação.
Ele parece que levou um susto.
Me levantei, e fui pegar a chave do carro...passei por ele, ele esbarrou o braço no meu pau....mole claro..mas eu senti a maldade...
Peguei as chaves e disse que ia levar ele...era tarde, ele disse que ia solito, na boa....que não tinha medo..etc...falou um monte de bobagem...bancando o macho corajoso...
Larguei as chaves e disse, que tudo bem..se ele queria assim...
-Então vamos , eu disse e fui em direção a porta., pedi desculpas, disse que estava cansado...
---segue>>>>>>>

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Outro dia..chove ainda...


Evitei passar na parada do ônibus , não sei porque ,mas algo me dizia que eu deveria evitar ela.Evitei.
Passei o dia trancado no escritório, não tive tempo de pensar em nada que me deixasse com vontade de ver ela...
Quando acabou o expediente, me lembrei dela e da pizza,mas decidi esquecer ela e fazer pizza solito em casa, fui ao super mercado, escolhei massa, calabreza, molho etc...peguei umas cervejas escuras, gosto delas , são mais fortes, mais amargas, e coca-cola claro.
-Então vai ter pizza Sábado, alguém falou...me virei..olhei, era um cara, um piá, uns 20 anos no máximo.
-Sábado? falei, e ele , -É na Érica.
-Tu é o......??? perguntei...
- Tu deu carona ontem pra ela e pra mim.disse ele.
Ah! tá, ri e comprimentei ele.
E disse- Não essa é pra mim pra hoje, ela vai fazer pizza Sábado, perguntei ,como se eu não tivesse falado depois com ela.
Ele falou que ela havia comentado..etc...seguimos batendo papo pelos corredores do mercado.
Ele não era feio, mas não era também lá grande coisa., era magro, até demais..tinha no máximo 1,70m, tinha cabelos pretos e olhos escuros, e era lisinho,nenhum pêlo nos braços e na cara, pelos menos nas partes visíveis.
Perto do caixa ele disse- Adriano,prazer.Eu ia falar,mas ele interrompeu, e disse, -Eu sei..Pedro, eu ouvi ela te chamar....
-To solito, que tal um chimarrão? falei.
Ele nem titubiou, disse sim.
Paguei as compras, ele também pagou as dele, era café e chocolate.
No caminho perguntei se ele estava namorando ela..ele disse que não,que eram apenas vizinhos e amigos.Me deu meio que um alívio e uma satisfação interior essa resposta, pareceu que ele fez questão de dizer aquilo e parecia que junto havia um '' bah, mulher não é a minha praia''.
Não sei porque ,e pensei, é hoje que vou comer um cu de homem.
Lindaço e bundudo ele não era, mas....era bem normal e sabe-se se lá né,o que se esconde por de trás de uma calça larga e um cara magro, ele podia ter uma bundinha decente.
Segue>>>>>>>>>>>

Um noite de chuva..


Estava passando em frente a uma parada de ônibus, quando vi a Érica, buzinei e estacionei logo a frente , ela veio correndo, abri a porta, ela se abaixou e perguntou se podia dar carona também para um colega dela.-Tudo bem se for no mesmo caminho teu, falei.
Ela disse que sim, era perto da casa dela.
Ele veio entrou na porta de trás , olhei, comprimentei e segui conversando com a garota, papo de trabalho, amizades , família etc...
Larguei os dois em frente a casa dela e fui para minha casa, chovia forte, estava frio, e eu queria mais era tomar um banho jantar e ver TV.
Cheguei, jantei sozinho...não havia ninguém em casa...eu ainda era solteiro...não estava namorando ninguém à sério.
Não me lembro que dia da semana era, mas não era fim , nem inicio Quarta-feira talvez,..o telefone toca...olho para a bina e não identifico o número...atendo...era a Érica...não me lembro a quanto tempo a gente não se via ou falava ...mas amizades eram como se agente se visse todos os dias, não mudavam nada..ou quase nada...ela queria apenas conversar...disse que sentia saudades das festas, noitadas...conversas, amigos que se mudaram, etc...etc...falou que não saía mais nem se divertia como antes e que gostaria de bater papo,comer uma pizza..um dia desses na casa dela...ou no próximo fim de semana...se eu quisesse claro...falei que ia ver..ela perguntou se eu estava namorando..falei que nada sério...ela riu...
Falei que estava cansado e ia dormir...e que eu ligava mais pro final da semana e a gente combinaria algo...desliguei.
Érica era boazuda, mas era meio...estilo, romântica, queria namoro, queria cenários, queria intensidade, bares , jantares, flôres..ou seja uma guria sonhadora, nada pé no chão e sexual, apesar do corpaço.
Segue>>>>>>>>>>

terça-feira, 21 de julho de 2009

Ao acaso..


Me lembro que apesar de todo aquele rolo na pescaria, eu e ele parecíamos dois estranhos no dia a dia na cidade, eu trabalhava e estudava a noite, a gente se olhava como se nada tivesse acontecido, parecia que nossos olhos eram escudos a prova de reconhecimento.Uma hora era eu de mãos dadas com a namorada outra era ele contando suas façanhas na zona e boates da cidade, claro, em todos os causos ele comia uma, eu ria quando estávamos entre os amigos , e quando estava coma gata, ele falava pouco, mas seu olhar era frio e indiferente, e o meu provavelmente distante.Não sei quantas vezes me pequei pensando nele, lembrando de tudo que ouve naquela tarde de verão, e não conseguia imaginar que tudo aquilo tinha sido apenas uma foda e ele tinha apagado da memória, por causa daquele comportamento indiferente, muitas vezes pensei que eu era o viadão da história ,porque havia sentimentos em mim, e ele apenas tinha tido uma experiência sem maiores consequências, estava bêbado ou sei lá o que.Foram alguns dias, semanas, talvez 1 mês, tentando esquecer aquilo e entender ao mesmo tempo....mas nada me deixava tranquilo, vê-lo por perto até amainava aqueles pensamentos atormentantes, mas se passasse um dia sem vê-lo, parece que tudo ficava pesado e um sentimento de culpa tomava conta de mim....me sentia como se tivesse feito alguma coisa de muito ruim para ele...
As vezes ele ignorava a minha presença, e eu um pré adulto babaca, não conhecia a capacidade das pessoas de dissimularem as coisas.
Um dia decidi falar com ele, fui até a casa dele, havia um churrasco, ele a a turma dele claro, até tinha uns caras legais, que gostavam de mim e sorriram quando me viram.Nada como chegar em um lugar e ver um sorriso amigo...
Aceitei tomar cerveja com eles, me sentei, e alguém pediu para eu cuidar do som, por as músicas , já que eu era conhecido por estar sempre atualizado e saber animar ou deixar o ambiente romântico, claro havia só machos ali, essa parte ninguém iria querer.Eles riam , bebiam, falavam de trabalho,e eu ali, parecia deslocado, um deles veio e sentou perto e puxamos papos mais ´´cabeças´´...ele sorriu ao me ver, estava em outra parte da casa, não sei fazendo o que, veio me cumprimentou e sentou perto também, seguimos eu e o outro o papo sério e ele começou esculhambar e debochar, falando nada com nada ,como era seu costume.
Riamos, falávamos, bebíamos e eu a cada música colocada, recebia elogios ou vaias...nunca ninguém estava satisfeito...era cosia de piazedo mesmo...e bêbados..
Eu já conhecia mais ou menos a casa dele, falei que ia no banheiro, sai...não encontrei ninguém pelo caminho...mas ao sair encontrei ele na porta, a lembrança dessa cena até hoje me perturba, ele tinha uma cara de idiota e ainda tem, nas raras vezes que o vejo por ai,e apesar da idade a cara de babaca permanece.
Falou que ia mijar, desaguar, tirar a água do joelho, e ficou rindo parecia um ..abobado mesmo.Eu vi que o que eu queria com ele, um bom papo, não iria sair naquelas condições e fui em direção a saída mas ele falou alto..quase gritando-Espera ai, quero falar contigo! , aquilo foi quase uma ordem.
Parei. e ali fiquei esperando, a porta do banheiro estava aberta, mas o calção dele não estava arriado, nada de bunda amostra.
Ele saiu e entrou em seu quarto e me pediu para entrar, sentou na cama e fez gesto para mim sentar também, a porta permaneceu aberta, dava pra ouvir as risadas e a música tocando....
Aquele era um disco meu...Why me ? Irene Cara...(por que eu? quando eu era o único que poderia fazer teu coração se sentir livre, e vc não me deu nada), eu gostava daquela música, fiquei ouvindo e não ouvia nada do que ele falava, só quando ele me tocou que eu prestei atenção nele, e ele disse que aquela música era de um disco meu...
-Tá tudo bem, perguntou...ele..eu disse que sim...ele perguntou o que eu tinha vindo fazer ali...eu disse que nada...perguntei se não era pra vir, se tinha algum problema...ele disse- Bem capaz, só achei que tu queria alguma coisa....veio pegar teus discos..perguntou ele....eu disse que não..que só não tinha nada pra fazer e resolvi vir, não sabia que tinha churras e o povo dele ali..mas que já iria embora...
Ele ficou em silêncio.
Eu mudo.
Cara, me passou tanta coisa na mente, que se eu dissesse agora, iriam pensar que eu estava chapado, usava drogas, mas não..e não sei como a mente da gente viaja e divaga quando um sentimento toma conta e não queremos que ele saia...seja demonstrado...
Já, confessei antes, eu sentia um puta tesão por ele, mas demonstrar além do pau duro, não era tarefa fácil, nem hoje ainda é..imagine naqueles tempos... e o olhar dele me cortava ao meio...me impedia de ser além de um mero pau ..uma foda ...um homem ...apenas sexo e nada mais...e pelos últimos acontecimentos, nem amizade...pensei, esse cara tá bêbado como da outra vez e louco pra foder, mas...eu sentia isso e mais...e esse mais me incomodava, não por eu ser capaz de sentir isso, mas de sentir por ele e querer demonstrar isso...isso me incomodava...hoje eu imagino ele, devia pensar em suicídio.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Continuação.

Até aquela pescaria, eu nunca pensei que um dia fosse rolar algo entre nós, éramos muito metidos a macho pra um se entregar pro outro nos tempos de visitas ao meu irmão e dos papos nas madrugadas com meus amigos e namorada, ele parecia comum, nada que demonstrasse algo.
Dois caras podem fazer muita coisa juntos e nunca rolar nada, tomar banho juntos, lavar as costas, dormir juntos, etc...e bêbados dizem muita bobagem e muita brincadeira azar de quem levar a sério.
Me lembro de um dia que ele apareceu de manhã cedo pedindo fitas e discos emprestados, meio que levei um susto, ele estava de férias e havia comprado um som.
Me lembro que um dia também ele me chamou prum churras na casa dele, e no fim da noite ficamos conversando sentados na cama dele, meio deitados...
Outra vez ele foi tomar banho e deixou a porta aberta, era um banheiro enorme, ao lado do quarto dele, ele foi e ficou conversando comigo bem alto...fui até a porta meio que me escondendo, não estava me importando, mas também não queria constrange-lo, mas não pude evitar de vê-lo nu de costas, todo ensaboado...ele tinha uma senhora bunda...muito boa, dali em diante bati muita punheta pensando nela...acho que foi ali que surgiu meu interesse por ele...
Outra vez, eu estava sentado na calçada( cadeiras na frente da casa, na calçada) da casa de um amigo e ele estava passando na rua, era verão, sem camisa , só de calção e meu amigo ofereceu uma cadeira e ele sentou na minha frente...me lembro que dava pra ver as curvas da bunda dele...aquele calção atolado no rego...
Tenho uma tara por bunda, pelo rego, pela junção da bunda, pelo cu..se repararem a maioria das ilustrações são de bundas aparecendo o cuzinho dos caras, fico doido com caras de 4.
Depois daquele dia na pescaria, nossas vidas não mudaram em nada, na cidade era estudar, trabalhar e namorar, sair nos fins de semana com as gurias, a turma e cada um com a sua, ele não se entrosava com a minha, nem eu com dele, não éramos de classes sociais muito diferentes, mas as pessoas mesmo de classes sociais iguais, são diferentes, dai...cada um na sua...
Aquela cama cheirosa e os dois de banho tomado, ficou só no papo, era aniversário de um amigo naquele dia, e vi sua cara de decepção...e eu fiquei chateado também,mas ....essa seria a vida de dois caras bissexuais escondidos.Mas teve muito mais rolo com ele,mas fica pro próximo post.
Att: Pedro.